Lágrimas de Crocodilo Digitais

PROMOSerá que a natureza está cobrando o preço por tanta poluição? Talvez por tanta depredação dos bens naturais como florestas?

Será que simplesmente estamos vendo o que acontece em determinados momentos do planeta? Seria um aquecimento global? Algo pior ainda está por vir?

Estas são algumas perguntas que passam pela mente de muitas pessoas neste momento por todo o planeta, algumas talvez acreditem até que tenham a resposta em seus estudos sobre suas mesas, enquanto outros acreditam que possuem as verdadeiras causas e explicações dentro de seus conceitos religiosos. Qual conceito está certo ou qual pode estar perto de explicar determinados acontecimentos? Eis a resposta que nunca teremos de forma oficial.

Dentro dessa situação, eu também a minha própria visão sobre tudo isso, pode ser certa ou errada e ainda assim pode não valer de nada para ninguém, afinal de contas eu não estou no olho de nenhum furacão, dentro de uma cidade cercada por enchentes e nem mesmo sendo uma das vítimas fatais em algum país devastado.

O que o ser humano ainda não entendeu é que o tempo despendido para se explicar uma questão natural, sim o que vemos acontecendo atualmente em alguns países nada mais é do que fenômenos naturais, o que acontece de tempos em tempos com maiores ou menores frequências e forças. O que o ser humano precisa entender e realmente se dedicar a realizar, e talvez até explicar, são mesmo o porque de muitos países sofrerem pela mesma fatalidade de ocorrências e a intensidade de preocupação de um para outro ser tão pequena.

Sim, veja como a mídia e as redes sociais estão monitorando a cada gota que caí no estado americano do Texas, mas não olham com 20% de interesse o que aconteceu em Serra Leoa e está acontecendo por todo o Sudeste Asiático. Historicamente falando, as enchentes e os furacões atingem com intensidade mortal as regiões asiáticas com muito mais força, ou com impacto de perdas, do que alguns estados americanos.

Em nenhum momento, vamos deixar bem claro, que efeitos do fatídico Katrina em New Orleans ou o Harvey agora em Houston fazem com que tais tragédias naturais ocorridas nestas cidades americanas tenham menos importância, ou mais, do que acontece neste momento no Sudeste Asiático. A diferença destas tragédias é que, aparentemente, para a mídia e muitas pessoas o susto do efeito após ocorrido é maior quando é nos EUA do que em Nepal, Índia, Bangladesh e outros locais muito mais miseráveis.

A natureza não se preocupa com a conta bancária de quem vai ser atingido, muito pelo contrário, já que as vítimas são frágeis igualmente não importando o tamanho da conta bancária, mas as ajudas não são parecidas, a visibilidade das tragédias não são iguais.
Acredito ser muito importante tentar entender porque celebridades podem doar 1 milhão de dólares do próprio bolso para ajudar uma cidade em seu país, mas não tem a mesma intenção com tragédias do outro lado do mundo, por sinal onde deve ter fãs por lá também…Simples para explicar, a visibilidade de mídia muitas vezes é maior para uma ajuda desse montante para os EUA e não para os pobres empilhados que jazem em Serra Leoa.

Enquanto Houston sofre pelos efeitos do Harvey, um terço ou pouco mais que isso de países inteiros como Bangladesh, Nepal e Índia estão embaixo d’água. Assim devem ficar pelo período de moções que acontecem até final de setembro, um fenômeno anual que pouca importância recebe da grande mídia e que parece ter pouca importância para os grandes humanistas que choram e colocam suas mensagens de apoio ao povo de Houston nas redes sociais.
Todos querem chorar e se comover, mas tem que ser por alguém ou algo que esteja em destaque na imprensa mundial, caso contrário vamos esquecer não é mesmo?
Isso vale para alguns ataques terroristas que aconteceram no passado, enquanto a comoção era mundial para os ataques na França e outros maiores, muitos nem se lembraram de ataques menores nos países africanos e árabes. A máxima é válida: o choro é livre!! Mas se o quer, que o faça por igual, para todos de forma igual se quer demonstrar a sua preocupação para tragédias mundo afora.

Quinze pessoas mortas e alguns milhares desabrigados em Houston, demonstra a grande diferença aos países mais pobres. Houston é uma das maiores cidades americanas, populacional e economicamente falando, que apesar dos grandes efeitos sofridos pela passagem do furacão Harvey, muito em breve vai estar se recuperando e nem parecendo que sofreu algo do tipo, talvez é claro pelas regiões mais pobres da cidade o que é esperado, afinal temos o recente exemplo de New Orleans, onde em alguns pontos turísticos e as principais áreas da cidade nem parece que aconteceu algo com o Katrina por lá, mas nas regiões mais afastadas do centro da cidade e nas mais pobres, parece que o Katrina passou ontem por lá.

E o Sudeste Asiático? Ok, mais de 41 milhões estão desabrigados e milhares estão mortos.

Como agora o efeito Harvey começa a passar um pouco nos EUA, provavelmente a imprensa mundial vai começar a se voltar um pouco mais para o que está acontecendo no Sudeste Asiático. Com certeza veremos muitas pessoas se especializando e chorando agora pela região nas redes sociais. Muito oportuno!!

É muito importante o peso das informações, de forma equilibrada, afinal de contas nenhuma região é melhor ou pior do que a outra, todas envolvem ser humanos sofrendo. Qual a razão de noticiar mais uma do que outra? Qual a razão de postar preces, apoio ou lágrimas nas redes sociais por uma tragédia e não por outra?

Enfim é preciso compreender que o planeta está passando por transformações desde sempre, não importa se foi criado por uma explosão, como o Big Bang, em uma região negra sem astros e que assim foram criados do nada…ou se tudo foi criado por um ser superior que manipula cada cordinha deste mundo para que destinos pré-estabelecidos aconteçam.
O necessário é que todos entendam que em algum momento podem passar por esse tipo de situação, a natureza esta passando por tais transformações e direciona tufões, tempestades tropicais, furacões, maremotos, terremotos, tsunamis para qualquer lugar desse planeta conforme deve acontecer.
O ser humano tem alguma culpa nisso? Destruindo as árvores? Destruindo os pólos? Destruindo o solo? Deflorando as entranhas do planeta para extrair bens de consumo ou mais riquezas? Pode ser que sim, o que eu acho muito mais provável, e afetando tudo que vem acontecendo em seu entorno e para com outros.

Como podemos mudar isso? Existem possibilidades grandes para mudar algumas coisas, mas isso depende de quanto cada um está pronto para abrir mão e fazer com que a natureza não seja sugada de forma tão intensa e tenha chance de se recuperar um pouco daquilo que já foi causado.

Nesse meio tempo, precisamos observar muito mais o que vem acontecendo no mundo como um todo, não fabricando lágrimas de crocodilo nas redes sociais e ficando preso aos acontecimentos que a grande mídia te apresenta e esquecendo que o mundo existe abaixo da linha do Equador, a qual inclusive você está incluso, e que os continentes são grandes e todo tipo de pessoas podem estar sofrendo no mesmo instante.
Se quer acordar um pouco para o que acontece no mundo, comece abrindo os seus olhos e limpando os seus ouvidos para algo muito maior do que a grande mídia quer que você veja. Talvez assim todos possam entender muito melhor o mundo em que vive, observar as desigualdades reais e motivos para tantas desavenças entre os seres humanos.

Anúncios

FATOS INUSITADOS: Quem foi John Torrington?

Você sabe quem foi John Torrington? Ele era parte da expedição de Sir John Franklin, que foi realizada para procurar a passagem noroeste e encurtar o caminho entre Ásia e América do Norte, aquele mesmo caminho que poderia ter sido usado em um passado remoto pelos povos nômades que circulavam entre os continentes. Um membro da marinha real inglesa.

A expedição saiu de Grenhithe, na Inglaterra, com dois navios, o HGMS Terror e o HMS Erebus, no dia 19 de maio de 1845. A programação era de que durasse pelo menos três anos, com isso a expedição levou o suficiente para atender este período, mas após julho do mesmo ano ninguém da expedição foi visto ou ouvido.

Logo outras expedições foram enviadas, mas desta vez apenas para encontrar os membros da expedição original. Nada foi encontrado até 1850, quando algumas ruínas, cantis e três sepulturas foram avistadas. As sepulturas eram de William Braine, John Hartnell e de John Torrington. O último apresentava ter morrido após sete meses desde o início da expedição original. Nunca surgiu, à época, explicações contundentes de como membros da equipe teriam morrido de forma tão rápida. Em 1976, as sepulturas foram redescobertas em Beechey Island, na região de Nunavut no atual Canadá, assim as lápides (supondo ser as originais) foram transferidas para a cidade de Yellowknife, no Centro Prince Of Wales. O mistério só foi solucionado em 1980, quando o antropologista Owen Beattie decidiu analisar os corpos.PROMO

Assim que liberado pelos descendentes de John Torrington, Owen Beattie e sua equipe começaram a trabalhar no dia 17 de agosto de 1984. O caixão de Torrington estava há 1,5 metros abaixo de camadas de gelo intensas e após a equipe passar por estas camadas e abrir o caixão houve uma surpresa imensa, devido a forma de preservação do corpo dele. Com extremo cuidado da equipe, o corpo foi descongelado, assim sendo possível observar que Torrington estava muito doente antes de sua morte, estando com suas costelas bem aparentes abaixo de uma fina camada de tecido, considerando que o corpo ficou bem conservado devido ao congelamento e sofrendo mínimas alterações de decomposição desde o dia de sua morte.

Os exames iniciais mostraram que eles passou por sérios problemas de tuberculose e pneumonia durante o período inicial da expedição, sendo que a pneumonia foi a sua causa morte. Em mais detalhados exames foi constatado que os membros da expedição sofreram de um envenenamento precoce e isso causou um breve final para todos, considerando o que foi observado nos corpos a disposição da equipe de Beattie. A forma que os alimentos foram estocados provavelmente foi a causada do envenenamento da comida.

Um destaque interessante sobre todo esse episódio é que os fatos trouxeram uma grande inspiração para alguns artistas como James Taylor, para a canção “The Frozen Man”, assim como a banda inglesa Iron Maiden, com a música “Stranger in a Strange Land”. O poema “Envying Owen Beattie” do britânico Shyeenagh Pugh sobre o tema ganhou alguns prêmios após publicado. A expedição de Sir John Franklin acabou inspirando os autores Margaret Atwood e Mordecai Richler, que utilizaram as informações do livro “Frozen In Time: The Fate of the Franklin Expedition” (Beattie e John G. Geiger), Atwood com um conto intitulado “The Age of Lead” e Richter com uma novela intitulada “Solomon Gursky Was Here”.

Abaixo é possível conferir algumas fotos do corpo mumificado pelo gelo, feitas pela equipe de Beattie quando do degelo em 1984.

PROMOPROMOPROMO

O polêmico humor negro francês

A revista francesa Charlie Hedbo vem trazendo mais uma capa que vai causar muito alarde, ou melhor já está causando burburinhos apenas pela divulgação da mesma. Como podemos ver abaixo, a capa faz referência aos ataques terroristas acontecidos em Bruxelas, na Bélgica.

PROMO.jpg

Não seria de esperar algo diferente da revista, ainda mais quando mesmo após a mesma ser alvo de ataques, por assim dizer terroristas, quando sua sede foi invadida e membros acabaram morrendo, não poderia agir de outra forma nesse momento.

Podemos olhar de muitas maneiras diferentes a posição dos tópicos e das diferentes formas que eles abordam cada caso em suas edições, mas nunca podemos esquecer que a revista tem o humor negro como base de suas publicações, não importa a quem eles vão incomodar.

Felizmente a posição e a forma que a revista trata qualquer assunto me agrada, até porque não adianta apenas lamentar, chorar, reclamar, ofender e apontar os dedos para que lado for se, ao final de tudo isso, não existir uma posição séria e totalmente direta sobre determinados assuntos. Os editores da revista não se escondem em nenhum caso, são diretos e mesmo que de alguma forma mais obtusa, ainda são sinceros e não esperam a concordância de todos.

A revista com certeza atinge o seu resultado que é fazer rir, para alguns, e de trazer a discussão dos fatos apresentados por ali de alguma ou de outra, só que em determinados lugares onde o politicamente correto é mais importante do que a sinceridade e opinião clara, vivemos em um país assim, uma revista como essa é vista de forma pejorativa e sem chance de mostrar os seus reais objetivos, que está muito além de simplesmente demonstrar uma visão humorística pueril.

Precisamos de revistas como estas para abrir a mente das pessoas que acham que o mundo só funciona de um jeito, onde tudo é fatidicamente tudo igual, quando o que mais temos são as diferenças…muitas delas que matam o próximo exatamente por ser diferente.

Lula: Ministro ou não??

Está bem complicado entendermos como está funcionando esta nova função de Luis Inácio da Silva, o Lula, neste momento do governo Dilma.

O que deveria tomar posse no dia 22/03/2016, acabou sendo antecipado para o dia 17/03/2016 e deste dia em diante foi um tal de ter posse ou não do cargo que, acredito eu, nem o mais pessimista contrário ao mesmo estaria esperando por isso tudo.
Pouco depois de assumir, ele recebeu a notícia, de que em um vara de Brasília, ele não seria ministro. No mesmo dia outra liminar no Rio de Janeiro dizia o mesmo. Assim terminou o dia 17, no dia 18/03 ele finalmente derruba as duas liminares e iria terminar a semana como ministro, mas logo no fim da sexta-feira, o Lula fica sabendo que não seria ministro porque um juiz no interior de São Paulo, na cidade de Assis, soltou uma liminar dizendo que ele não poderia assumir a pasta da Casa Civil.
Só que o dia não poderia acabar com um notícia pior, mesmo recebendo o apoio dos seus partidários na Avenida Paulista, e algumas outras cidades, o ministro do STF, Gilmar Mendes, confirmou que ao entender dele, o Lula não pode ser ministro. Vou comentar essa parte mais abaixo…

Enfim, se ele achava que não seria ministro apenas no final de semana, acabou descobrindo que até o dia 30/03/2016 ele não vai ser nada além de ex-presidente e ponto final. Isso pelo fato dos ministros do STF só terem esta data agendada para a próxima reunião, na qual PODERÁ ser que seja julgado e definido de uma vez toda essa situação.

Os argumentos usados por Gilmar Mendes seguem o caminho dos grampos feitos à pedido do juiz Sérgio Moro, aqueles mesmos que a Dilma e o Lula dizem serem inconstitucionais, mas que foram autorizados pelo promotor federal Janot, que inclusive tinha a ciência da liberação de todas as gravações pelo juiz e não impediu nada.
Nos argumentos de Gilmar Mendes, ele usa não só a gravação do “papel encaminhado com o Messias”, mas outras conversas que deixam claras que existia um plano de salvar o Lula da cadeia através da nomeação dele como ministro e ir para foro privilegiado no STF, no qual ele e o governo teriam uma visão de que tudo poderia ser salvo, com a ajuda do novo Ministro da Justiça.

A mais famosa gravação, que foi usada a exaustação pela imprensa e que Dilma está puta da vida com a suposta distorção de seu conteúdo, poderia não ser válida após confirmações de documentação que o Janot ainda terá que avaliar quando retornar da Europa, mas a Dilma (e o governo) deram um tiro no próprio pé quando em rede nacional ela deixa claro que é ela na gravação e tenta se explicar de todas as formas possíveis, ele deu munição para o “inimigo” e não haverá o que pode ser feito para contestar tais alegações, principalmente ao juntar com gravações mais antigas obtidas em horas de conversas salvas através dos grampos realizados em diversas linhas ligadas ao Lula e ao seu instituto.

Algo que é preciso deixar claro, inclusive confirmado em entrevista feita na Europa pelo promotor Janot, é que as gravações foram obtidas através de ligações feitas de (e para) as linhas grampeadas do Lula, que nenhuma linha telefônica da Dilma foi, seja pessoal ou profissional, grampeada à pedido do juiz Moro em primeira instância, até porque isso só poderia ser autorizado pelo STF e ninguém mais.

O que podemos entender é que nos próximos dez dias o Lula não será ministro, assim poderá ser preso a qualquer momento e por qualquer motivo que as investigações e processos da Lava Jato indiquem ser relevante chegar a este ponto. O juiz Moro tem o pedido em mãos feito pelo Ministério Público de São Paulo, com as provas documentais encontradas no apartamento do Lula pela PF, sobre o sítio e comprovando mais algum detalhe, é muito provável que o Lula possa ser levado para um sela antes do dia 30/03.
Será tudo feito, com certeza, dentro da lei e da constituição, que eles ainda insistem em dizer que foi inconstitucional e ilegal.

A confusão está longe de acabar, principalmente quando vemos especialistas em leis, advogados, professores e outros debatendo e apresentando visões de que um lado ou outro está certo ou errado. O debate está aberto e será complicado achar um caminho ao qual todos aceitem de bom grado.

Lembrando que com o processo de impeachment aberto, caso venha o mesmo a ser efetivado e que a Dilma perca o seu cargo, tanto ela perde os seus privilégios e poderá responder por tudo o que vem sendo apresentado nos últimos dias, inclusive apontado pelo Ministro Gilmar Mendes quanto a ilegalidade da forma que ela conduziu Lula ao cargo de ministro, assim como o próprio Lula, mesmo que consiga assumir o cargo efetivamente, poderá perder todos os privilégios também no momento que o Temer assumir, porque é praticamente certo de que ele não continuará no cargo de ministro após o impeachment.

E outro fator que vai encaminhar um pouco mais as coisas são a situação de apoio ou não do PMDB na próxima semana.

Está claro que os próximos dias serão complicados e a política brasileira ainda vai dar muitos nós na mente de todo mundo pelo Brasil, assim como no exterior visto que muitos estão tendo complicações para entender tudo o que acontece e como acontece aqui na nossa República das Bananas.

PROMO

Comprar pela internet cada vez mais caro

A internet facilita a vida de todos que nela estão inseridos, seja você um consumidor ou um comerciante. Este espaço aos poucos vem sendo cada vez mais “preso” pelo governo brasileiro de N maneiras diferentes, com leis que querem te obrigar a postar o seu CPF a cada vez que vai escrever alguma coisa em uma rede social até mesmo encarecer as vendas na internet, através dos sites de e-commerce, com novas tributações e ainda mais complicadas. As grandes empresas tem uma maior facilidade em estar seguindo com as novas tributações, pois estes tem grandes equipes para cuidar de diversos setores, mas ao contrário destes, os pequenos e micros empresários já estão sofrendo um imenso impacto desde o primeiro dia de 2016.

As compras na internet não tem horário de abertura de loja, funcionando 24h por dia a qualquer momento do dia, sem feriado e com um atendimento as vezes mais rápido que as lojas físicas, possuindo até mesmo produtos quase que de forma exclusiva.
Com tudo isso, o aumento das compras pela internet, pela facilidade em receber esses pedidos e as formas de pagamentos muito mais rápidas, sem precisar de filas, atrai cada vez mais compradores.
Um dos grandes diferenciais era exatamente a baixa tributação e isso começa a mudar muito. O ICMS agora se tornou uma briga imensa entre órgãos do governo, representantes do SEBRAE, Ministério da Fazenda e associações em prol do e-commerce.

O que deve acontecer daqui por diante é uma confusão até que tudo esteja bem explicado e regulamentado, o que no Brasil nunca é feito antes de colocar em prática e com isso muitos são afetados de forma errônea e com isso perdendo oportunidades de aquisição ou venda.

É provável, se não certo dizer que é óbvio, que muitos podem fechar seus sites de e-commerce exatamente porque a competição vai ser complicada de se manter, principalmente com as grandes lojas online e os pequenos empresários. As lojas físicas agradecem também esses problemas apresentados nesse começo de ano.

O Brasil que vive tempos péssimos, economicamente e politicamente falando, dá mais um exemplo de que não sabe como melhor a sua saúde financeira sem que isso custe a oportunidade de muitos empresários, mas agora também chegando no mundo digital e destruindo muitas oportunidades de crescimento financeiro de pequenos empreendedores que tinham tudo para poder aumentar os seus negócios com o tempo.
O descaso político continua fazendo estrago e provavelmente não vai parar tão cedo com certeza, não enquanto tivermos sendo controlados por uma corja que não sabe o que está fazendo e com isso prejudicando todas as pequenas oportunidades que se pode encontrar  para sobreviver.

Para saber mais sobre as taxações de ICMS sobre o e-commerce no Brasil, recomendo acompanhar os seguintes sites: E-Commerce Brasil e Profissional de E-Commerce.

Abaixo um vídeo de uma matéria apresentada no Jornal Nacional explicando o caso.

PROMO

 

16 de junho – Hoje é o Bloomsday

James Joyce
James Joyce

Vocês conhecem Leopold Bloom? Vocês conhecem James Joyce? E Ulisses?

Pois é, James Joyce criou o personagem Leonard Bloom para viver a sua própria odisséia no clássico “Ulisses”. Em 18 capítulos, cada um representando uma hora durante o dia 16 de junho de 1904 (data que o autor conheceu a sua futura esposa Nora Barnacle). Estas horas, ou capítulo, estão ligadas a um acontecimento da verdadeira “Odisséia”, sempre se associando a uma cor, ciência ou órgão do corpo.

James Joyce radicalizou a narrativa a partir de “Ulisses”, transferindo a ação para o pensamento dos personagens e delineando a fragmentação do sujeito contemporâneo em um mundo marcado pela crítica radical as idéias de homem, cultura e sociedade como nas teorias de Freud, Nietzsche e Marx.

Em todo o mundo, não se sabe bem quando, passou ase comemorar em 16 e junho o Bloomsday por escritores, leitores, críticos e amantes do estilo, livro e personagem criado por James Joyce – que faleceu em 1941 e hoje já se passam 111 anos desde que uma camareira de nome Nora o inspirou com essa data.

PROMO

PROMO

PROMO

PROMO

“Os gênios não cometem erros. Os seus erros são sempre voluntários e dão origem a alguma descoberta.” (James Joyce)